Soneto à Bela da Tarde

Uma lembrança reflete-se na retina

Tempo passante, vivência constante 

Vislumbre em bela cena vespertina

Desejo pungente um sonho vagante


Grama leve, alças na cerca branda

Paisagem fina, avistar-se um farol

Calma, repousa sentada à varanda

Brilham n'água rastros de pôr do sol


Bela senhorita, contempla a tarde

Olhos fitam paisagem que não arde

Contida à mesa taça de bom vinho


Livro em mãos, entoa sabor de aventura

Ornam cachos do cabelo uma flor pura

Tu'alma voa nas asas de um passarinho


12 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Textos Publicados