Meditando sob a Luz do Caminho

"Há algo indefinido e completo, que existe antes do céu e da terra. Como é calmo e sem forma, único e imutável, e tudo atinge sem se exaurir! Deve-se considerá-lo a Mãe de todas as coisas. Não sei o seu nome e, na falta dele, eu o chamo de Tao". O Tao (caminho) é considerado a única fonte do universo, eterno e determinante de todas as coisas. Os taoístas creêm que quando os eventos e coisas são permitidas existir em harmonia natural com a força macro-cósmica, então existe paz Assim o sábio chinês, Lao Tse, há mais de 2.500 anos atrás, falou do Tao. Pela integração harmoniosa dos nossos pensamentos, sentimentos, sensações e intuições, podemos nos aproximar do Tao, palavra que podemos traduzir também como Essência. Muito da essência do Tao está na arte do wu wei (agir pelo não-agir). No entanto, isto não significa “espere sentado que o mundo caia no seu colo”. Essa filosofia descreve uma prática de se realizar coisas através da ação mínima. Fica aqui o convite a um exercício vivencial equilibrante, uma breve jornada em direção ao início da redescoberta do seu potencial de paz, equilíbrio, suave alegria. Para um vislumbre do que Lao Tse chamou de "Portal que conduz a tudo aquilo que é sutil e maravilhoso, ao recôndito segredo de todas as essências!" Apoie-se as costas no encosto da cadeira, procurando manter a coluna razoavelmente ereta, mas de forma confortável. Se preferir e tiver à mão, use uma almofada para apoiar melhor as costas. Respire lenta e profundamente... Umas três vezes... A cada expiração, relaxe-se, descontraia-se.