Beleza e Simplicidade na Imperfeição

O Bambu japonês: simples, nobre e sagrado. Perfeito não é, belo nem tanto.


Algo bem relevante em relação ao bambu: apesar e não muito levado em conta por nós ocidentais, os japoneses levam muito a sério o cultivo e a cultura (ensinamentos) em torno do bambu.


É uma das árvores mais resistentes que existem. É tão durável quanto o concreto e a sua tração é comparada ao aço. E de sua exploração produtiva e econômica, podemos observá-lo na alimentação, da produção do álcool, na celulose, reflorestamento e artesanato, decoração e movelaria, até mesmo em estruturas sólidas para construções, entre outras coisas.


Casualmente, descobri que existem sete lições verdadeiras sobre o bambu:

1ª lição: Se curva mas não quebra.

Com suas raízes são profundas, demora crescer mais só cresce para o alto.


2ª lição: A fragilidade é somente aparente.

Suporta bravamente invernos e verões extremos, sobrevive a vendavais.


3ª lição: Vive sempre em comunidade.

Não cresce sozinho, o grupo cresce junto, mantendo as raízes próximas.


4ª lição: Não se deixa derrotar pelas adversidades.

Curva-se de tanta neve sobre eles, mas volta ao lugar, por seus nós firmes.


5ª lição: Busca a sabedoria no vazio.

Seu interior é oco, é vazio para estar abertos à tudo que é novo e diferente.


6ª lição: Cresce sempre e sempre para o alto.

Para evoluir sempre, crescimento contínuo e cresce mais na estação chuvosa.


7ª lição: Procura buscar a simplicidade.

De poucos e pequenos galhos, é simples! Não perde tempo criando enormes galhos.


Dito isto, por que não passar a fazer uso destas lições, tendo o bambu como aliado?

14 visualizações

Textos Publicados

Receba notificações de novas postagens
  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Pinterest ícone social

© 2020 - Blog Autoral de José Neto